Um modelo para explicar os eclipses

Um dos acontecimentos astronômicos mais bonitos e esperados deste ano é o eclipse total da Lua, que ocorrerá no próximo dia 15 de abril, e que poderá ser observado em todo o país a partir das 3 h da manhã. Por volta das 4 h, o eclipse atinge o seu auge, quando então a sombra da Terra terá diminuído quase totalmente a claridade refletida pelo Sol no nosso satélite natural.

Explicando eclipses aos meus alunos
A escola na qual comecei a dar aulas de Física a partir deste ano, faz parte de um programa relativamente novo do Governo do Estado de São Paulo, chamado de Escola de Tempo Integral. Na outra escola em que eu estava anteriormente, eu dava aulas somente das 7 h da manhã até às 12 h e 20 min, e depois ia para casa almoçar e passava a tarde livre, preparando aulas, corrigindo provas, dando aulas particulares ou cuidando das necessidades do lar e da minha família. Agora, eu entro às 7 h, almoço na escola e fico até as 16 h e 20 min. A vantagem - além do salário aumentado em 75% do anterior - é que em alguns momentos posso me dedicar mais à preparação de experimentos nos dois laboratórios, que foram reformados, e que por sinal ficaram muito bonitos. Consegui alguns materiais antigos que estavam em um depósito da escola e fui adaptando e montando alguns experimentos simples. Outra característica deste novo modelo de escola pública é que há disciplinas chamadas de eletivas, que os alunos escolhem de acordo com o gosto de cada um. Resolvi montar a disciplina de Astronomia e consegui 30 alunos matriculados. Na primeira aula, achei legal passar para eles em um telão, o primeiro episódio da nova série Cosmos, com Neil deGrace Tyson. Eles gostaram. Também já agendei para o dia 10 de abril uma visita ao Observatório Astronômico de Piracicaba.

Na aula da semana passada eu ia passar para eles o filme Gravidade, que eles próprios haviam sugerido, mas de última hora, descobri que o projetor da escola já estava sendo requisitado por outra professora, no caderno que usamos para reserva. Pensei bastante no que eu iria fazer com eles, e então resolvi preparar uma aula sobre eclipses. Existem vários livros, filmes, e videos, mostrando os dois tipos de eclipses, lunar e solar, mas achei que seria legal montar um modelo para explicar pessoalmente. Fui no laboratório, encontrei um canhão de luz que estava funcionando e pensei imediatamente em usá-lo para representar o Sol. Com mais algumas peças, encaixando aqui e ali, parafusos e fita crepe, e depois de algumas horas no laboratório consegui montar um modelo razoável.
Lembrei-me que eu tinha um globinho da Terra em casa, achei uma bolinha branca de borracha, com o diâmetro aproximadamente quatro vezes menor do que o globinho, e pronto.

Já durante a aula, inicialmente perguntei a cada grupo de alunos se eles sabiam dizer quanto tempo, mais ou menos, a Lua gasta para dar uma volta em torno da Terra, e me surpreendi com as respostas. Poucos alunos acertaram que o tempo é de aproximadamente um mês. Depois disso, com o auxílio de minha maquete, fui fazendo outras perguntas provocativas. Uma delas foi: Mas então, se a Lua leva aproximadamente um mês para dar uma volta completa em torno do nosso planeta, porque não temos, um eclipse do Sol e um eclipse da Lua a cada mês?  Novamente, poucos alunos souberam responder, usando a diferença entre o plano de órbita Sol-Terra, e o plano Terra-Lua. Aproveitei então para explicar mais essa característica para eles.
Como o globinho da Terra podia ser girado, mostrando a rotação, expliquei para eles a sorte que teremos de poder observar daqui do Brasil o próximo eclipse do dia 15.  
No final das contas, fiquei satisfeito com o resultado da minha ideia, pela curiosidade e participação dos alunos em aprender, e então, quando eles já haviam saído da aula, decidi tirar umas fotos. Vejam que boa estrutura do laboratório. Dizem que o governo irá enviar material novo para realizarmos novas experiências. Enquanto isso, vou me virando, improvisando com o que eu encontro por lá. 
Posição mostrando o eclipse do Sol.





Contagem regressiva para o eclipse total da Lua
Um bom site que encontrei sobre o eclipse do dia 15, mostra uma contagem regressiva para o acontecimento do evento, bem como outras valiosas informações. Para quem tiver interesse e quiser dar uma olhada, aí vai o link:
http://www.vercalendario.info/pt/lua/brasil-15-abril-2014.html
Compartilhe:

8 comentários:

  1. Olá, bom dia amigo e parceiro, Jairo Grossi!!!!
    Tudo bom e tudo bem???? Assim espero!!!!
    Parabéns, pela iniciativa de realizar essa ação de montagem de modelo cosmológico para o estudo dos eclipses e... sem esperar pela "boa vontade" dos nossos administradores que estão sempre em busca de ganharem mais por trabalharem menos!!!! Ainda bem que vc teve aumento de salário e até que merecia muito mais do que esse percentual!!!!
    Tenho tido problemas seguidos com esse meu equipamento sempre a precisar de "peças de caridade (peças de sucata caras pela idade delas, mas que são mais novas do que o meu PC, rsrsrsrs)", e fazer o que???? O negócio é ir juntando o "arame" para poder adquirir a próxima máquina e antes que essa aqui dê um problema geral de "junta (junta tudo e joga no lixo" )!!!!
    Chamo a sua atenção para um novo desafio que lancei na postagem com o título... "um quarto de milhão!!!!" e está valendo prêmio!!!! A prazo vai até às últimas horas do 30/06/2014!!!! Espero que participe juntamente com os seus alunos!!!!
    INTEL LOGO, caro amigo!!!!
    Um abraço!!!!!
    Um ab ,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Valdir. Por aqui está tudo bem. Estou animado com este projeto de escola nova e, lógico, pelo salário maior. Não temos dúvidas de que nossa valorização profissional deve ser feita em todos os sentidos, inclusive no da melhoria da nossa remuneração. Tenho me sentido muito estimulado com isso, e venho tentando devolver esta gratificação na forma de melhores serviços, já que agora sobra mais tempo para preparar as aulas.
      Obrigado pelos elogios de eu ter construído o modelo e conseguido fazer com que os alunos entendessem um pouco mais sobre o comportamento dos nossos astros vizinhos. achei que valeu muito o esforço.
      Já dei uma olhada no desafio, mas devido à correria não tive tempo para pensar com calma.
      Espero que você tenha mais sorte com a sua máquina.
      Abraço.

      Excluir
  2. Olá, professor.
    É bom vê-lo postar novamente, e fico feliz pelos bons acontecimentos.
    Aqui no RJ, tive a oportunidade de realizar alguns cursos à distância, e presenciais como os "Cursos de Inverno" do Observatório Nacional. Nos links que estarei enviando, você pode baixar os capítulos do curso a distância do ano de 2013 e 2012 em Astrofísica e Geomagnetismo, (ambos abertos àqueles que possuem um interesse pelas áreas, e com uma leitura agradável que não requer nenhum conhecimento técnico prévio) e montar uma apostila. Seria uma ideia.
    Enfim, um grande abraço.

    2013 - Astrofísica Geral :
    http://www.on.br/ead_2013/

    2012 - Geomagnetismo :
    http://www.on.br/ead_2012/site/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Diogo.
      Gostaria de agradecê-lo pelos links. Dei uma olhada e achei fantástico. Tenho certeza de que eles me ajudarão muito para passar alguns vídeos, imagens e fotos de lá para os meus alunos. Valeu!
      Abraço.

      Excluir
  3. Não sabia que você dava aulas em regime integral e que o professor poderia montar uma disciplina nova. Realmente é uma perspectiva nova. Mas o que ainda incomoda é que mesmo assim, a escola não dispõe de instrumentos ou kits de experiências para o professor poder desenvolver seus projetos. Na escola que trabalho o laboratório é só para inglês ver, pois há muita sucata de mais de trinta anos que dá até medo só de respirar o ar contaminado de alguns elementos químicos expostos.
    Parabéns amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Cidão. Os maiores problemas dos laboratórios que eu via nas outras escolas que dei aulas, nestes 23 anos que leciono, eram mais ou menos os mesmos que você relatou. Falta de estrutura, alguns pequenos demais, outros sucateados e abandonados, com produtos antigos, desatualizados e até mesmo estragados. Nesta escola em que estou atualmente, fizeram uma reforma. Têm dois laboratórios. Um que chamam de laboratório "molhado", que é para química e biologia, com várias pias novas. O outro, que eu mostrei nas fotos do post, chamamos de laboratório "seco", que seria para física. Este não tem pia, e é o que mais tenho usado. No "seco", dentre outras, fiz experiência para calcular a constante elástica de uma mola, no "molhado" levei um micro-ondas, e como achei vários termômetros no estoque velho da escola, além de uma quantidade enorme de vidrarias, bequer, erlenmeyer, provetas de todos os tamanhos que eu e o professor de química separamos e guardamos, fiz uma experiência para determinação da temperatura de equilíbrio, misturando duas quantidades de água a diferentes temperaturas. Legal que o resultado deu muito próximo do esperado nos cálculos. Os laboratórios são espaçosos. Semana passada chegaram banquetas novas. Além dos dois laboratórios, tem uma sala de preparação das experiências, com pia, e algumas prateleiras que nós montamos para guardar todo o material.
      Eu acho que o Governo de São Paulo vai fazer de tudo para que este modelo de escola seja expandido, e pelo jeito eles vão investir neste lado. Pessoalmente, eu acho que poderiam pagar o salário que ganho hoje, na escola que eu estava anteriormente, já há 12 anos, mas fazer o quê. Estou trabalhando bem mais nesta escola nova, mas quando a gente é valorizado no salário dá mais ânimo. E ainda tem gente que defende que aumento de salário não melhora o ensino.

      O que está acontecendo é que a carreira de professor está cada vez menos procurada. Na escola que eu saí, até agora não acharam um professor formado em Física. Atribuíram as aulas para um professor formado em Química.

      Que jovem escolheria hoje estudar 4 ou 5 anos de graduação em Física, para depois de formado ganhar pouco mais de 1000 reais por mês? Essa falta de incentivo, em termos de salário, são bombas relógios, e algumas delas já estão explodindo. Os estilhaços já estão há muito tempo machucando uma geração de jovens.
      Abraço

      Excluir
  4. Bom dia amigo Jairo, parabéns pela sua iniciativa, também tenho procurado utilizar temas de Astronomia nas minhas aulas de Física. Infelizmente aqui no Paraná ainda não temos um projeto assim. Gostaria muito de trabalhar em um projeto como este. Eu escrevi um artigo sobre a Astronomia e o ensino de Física na Educação de Jovens e Adultos. Bom trabalho....um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, prof. Adão.
      Obrigado pelo elogio. Está sendo muito gratificante esta matéria de Astronomia. Na última aula montamos um relógio de sol.
      Abraço.

      Excluir

Os comentários são moderados pelo autor do blog.
Se quiser receber comentários futuros deste post pelo seu e-mail, clique na opção "Notifique-me"