ETs na Terra

De vez em quando alguém me pergunta se eu acredito em discos voadores ou ETsComo acho mais importante explicar a razão da escolha entre uma simples resposta SIM ou NÃO para uma pergunta deste tipo, resolvi escrever aqui o que penso sobre o assunto.
Devo iniciar primeiramente com algumas informações básicas e necessárias. De acordo com o astrofísico Thyrso Villela Neto, do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), há aproximadamente 100 bilhões de galáxias observáveis atualmente no Universo. Em cada galáxia há uma média de 100 bilhões de estrelas. Supondo que cada estrela mantenha apenas 2 planetas em órbita, haveria portanto cerca de 20 hexalhões de planetas no Universo observável. Diante desses números, é difícil acreditar que as condições reunidas para o surgimento de algum tipo de vida tenham ocorridas de forma privilegiada somente aqui na Terra. Até entendo os que defendem essa possibilidade, desde que não usem argumentos místicos ou religiosos. 

Vamos agora imaginar que haja um hipotético planeta, localizado na galáxia Andrômeda, a vizinha mais próxima da Via Láctea, à distância de aproximadamente 2,5 milhões de anos-luz, e que nele existisse uma civilização que já tivesse atingido um estágio tecnológico bem mais avançado do que o nosso. Imaginemos então que alguns habitantes deste planeta quisessem realmente vir até a Terra por algum motivo que eu desejaria que fosse de natureza amistosa, talvez por eles não conseguirem encontrar vizinhos mais próximos para que pudessem trocar experiências e conversar sobre temas inéditos para eles, tais como futebol ou novelas. Se a nave construída por eles pudesse viajar a uma fantástica velocidade média de 150.000 km/s, metade da velocidade da luz, um simples cálculo sobre o tempo gasto nesta viagem faria com que aqueles habitantes sonhadores desistissem do projeto, já que seriam necessários aproximadamente 5 milhões de anosImpossível?
Imaginemos então que eles morassem em um lugar mais próximo, dentro da Via Láctea, e que fossem necessárias somente algumas centenas de anos nesta jornada. Por que razão, ao chegarem na Terra, eles apareceriam somente para algumas poucas e privilegiadíssimas pessoas?
Será que estas pessoas que alegam ter visto discos voadores ou ETs não se esforçaram o suficiente para que conseguissem se mostrar receptivas, assustando os nossos pretensos hóspedes com algum sinal, imagem ou gesto repulsivo e ameaçador, fazendo-os retornarem aflitos e decepcionados aos seus planetas de origem sem serem vistos aqui por mais ninguém?


Acredito na possibilidade de que existam diferentes formas de vida em outros lugares do Universo, talvez bem diferentes das que estamos acostumados a ver aqui na Terra, mas estamos tão separados delas no tempo e no espaço que dificilmente poderíamos estabelecer um contato pessoal. Por isso não acredito que discos voadores ou ETs tenham vindo até nós, mas se algum dia me deparar com um deles, e por sorte sobreviver a esta incrível experiência, prometo deletar imediatamente este post e engrossar umas das várias comunidades que tratam de ufologia, não sem antes procurar uma clínica psiquiátrica e pedir que façam em mim um rigoroso exame, e se considerarem os resultados normais, ainda assim estarei me questionando profundamente se não estaria sendo vítima de uma possível insanidade mental.
Compartilhe:

6 comentários:

  1. Está cada vez mais claro que as condições necessárias para o surgimento da vida não são tão raras como antes se imaginava, né? E estamos falando só do tipo de vida que conhecemos, baseado em água, carbono, etc...mas vida inteligente...com tempo para se tornar evoluída tecnologicamente a ponto de fazer contato...talvez captemos umas ondas de rádio um dia...mas visitas ao nosso planetinha...somos minúsculos, e estamos localizados na perifieria de nossa galáxia...você resumiu exatamente o que penso...parabéns pelo ótimo post...abraços

    ResponderExcluir
  2. dizem que limeira-piracicaba é um portal para ets...
    Nossa, concordo plenamente com o que você escreveu, eles não fariam tamanha viagem pra aparecer por segundos, e outra, em qualquer lugar que eles aparecessem não havaria apenas umas pessoa, muitas outras também poderiam afirmar que realmente houve aparição, tem gente que não pode ver um pontinho se mechendo no céu que imagina esses tipos de coisas...

    ResponderExcluir
  3. Olá, Jairo!
    Qualquer dia desses, usando e-mail ou vídeo-conferência, eu irei contar porque certa vez eu fui eleito presidente de um grupo de estudos sobre discos voadores e também, porque pouco tempo depois eu fiz como o Jânio Quadros, i. é: RENUNCIEI!
    [1]!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Excelente artigo, Jairo.

    Parabéns. Concordo em gênero, número e grau.

    ;)

    Cavalcanti

    ResponderExcluir
  5. Cavalcanti:
    Tem uma música caipira, muuiito antiga, que eu escutei uma vez aqui em Piracicaba, que dizia assim:

    "Tomara que seja verdade
    que exista mesmo disco voador
    que seja um povo inteligente
    e traga pra gente
    muita paz e amor."

    Porém, o físico Stephen Hawking acha que não seria bem assim. Ele supõe que se prováveis ETs chegassem um dia até nós, seria comparável à chegada dos europeus na América, ou seja, nós terráqueos seríamos os "índios", bem menos avançados tecnologicamente, e aí talvez fôssemos atacados, feitos escravos, ou até mesmo dizimados.

    Pra mim,isso faz sentido.

    ResponderExcluir
  6. O interessante é que o Carlos Oliveira, do Astropt, pensa de forma semelhante à nossa. Se houver vida fora da Terra, cremos que seria bastante diferente da nossa.

    E eu penso exatamente da mesma forma: não creio que as supostas civilizações tenham chegado à um nível tecnológico capaz de vencer as grandes distâncias entre as galáxias. Do contrário, já o veríamos em escala global.

    É até infantil as pessoas pensarem que os ets venceriam tamanhas distâncias (por mais avançadas que fossem suas tecnologias) e ficassem abduzindo gados, vacas ou nos raptando no meio da madrugada.

    Abraços.

    Cavalcanti

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados pelo autor do blog.
Se quiser receber comentários futuros deste post pelo seu e-mail, clique na opção "Notifique-me"