Perdido em Marte e as críticas às explorações espaciais

O filme Perdido em Marte é uma bela obra de ficção científica, mas como ocorre frequentemente em todos os filmes, algumas situações fogem um pouco do que seria possível acontecer na realidade. Em alguns casos a intensão é tornar a trama mais interessante, a fim de prender a atenção do público desde o início até o fim. A grande tempestade de areia, por exemplo, jamais poderia ter tido força semelhante à mostrada. Há também outras pequenas incoerências perceptíveis para alguns olhos mais exigentes, como a ausência dos efeitos que a gravidade bem menor de Marte provocaria nos movimentos e caminhadas dos astronautas. 
Algumas filmagens foram feitas em um local do sul da Jordânia, conhecido como Vale da Lua (foto). Os exploradores marcianos não aparentam ter um peso correspondente a 38% do que teriam na Terra. Para exemplificar, isto significa que uma pessoa de 70 kg, lá em Marte, teria a sensação de se movimentar como se tivesse apenas 27 kg.

Água e plantas
Algumas missões robóticas enviadas a Marte já encontraram sinais de água no subsolo marciano que poderia ser usada por astronautas para cultivar plantas, as quais serviriam de alimento e também para produção de combustíveis para os foguetes.
O satélite que orbita Marte desde 2006, chamado de Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da NASA, com sua poderosa câmera de alta resolução de imagens, mapeou o planeta, o que permitiu compreender melhor o relevo, o clima, a atmosfera e também os possíveis locais que poderiam indicar a presença de água. 
Na verdade, como ainda não há comprovação de que há uma quantidade de água que pudesse ser aproveitada suficientemente, no filme, fizeram com que o astronauta perdido optasse por obtê-la de outra maneira, a partir da hidrazina, um tipo de combustível usado em foguetes.

Radiação
O jipe Curiosity (imagem), que na época de seu lançamento, no final de 2011, foi tema de um post deste blog, levou consigo o detector RAD, projetado para medir a radiação do ambiente marciano.
O jipe Curiosity, que pousou em 2012 em Marte, levou um medidor da radiação do ambiente.
Esses dados são essenciais para a compreensão de como os astronautas precisariam estar protegidos ao fazerem uma caminhada ao ar livre por lá. O protagonista do filme, Mark Watney, interpretado pelo ator Matt Damon, não poderia ficar tanto tempo exposto às radiações de Marte sem que corresse o risco de sofrer algumas sequelas, como câncer, por exemplo.

Naves, Habitações e Veículos 
O Curiosity, com massa de uma tonelada, foi o objeto mais pesado enviado a Marte até agora, e pensando no futuro, o laboratório JPL está desenvolvendo tecnologias para conseguir pousar cargas ainda maiores e mais pesadas. Uma delas é o projeto do Desacelerador Supersônico de Baixa Densidade (foto).
O Desacelerador Supersônico de Baixa Densidade, durante as fases de testes e construção.
Trata-se de um grande disco que teria a função de inflar-se durante a entrada da atmosfera de Marte, aumentando o atrito e diminuindo a velocidade, para que os paraquedas pudessem resistir ao se abrirem em seguida, pousando com segurança, por exemplo, um veículo grande, parecido com o do filme (imagens a seguir) e posteriormente equipamentos e partes de uma estação habitável, ou uma nave tripulada, que é o objetivo futuro da NASA. O desembarque auto controlado do Curiosity em 2012 foi um marco importante no caminho para essa capacidade.


Comunicações
Além das missões espaciais a Marte, o JPL administra o Deep Space Network da NASA. Esta rede também seria usada para estabelecer comunicações vitais com a nave espacial através do sistema solar, e manter contato com os futuros astronautas em viagens entre a Terra e Marte.

Finalizando com uma reflexão
Diante das notícias recentes sobre as evidências de água em Marte, e da relação estabelecida com as condições que indicam a possibilidade de o planeta abrigar algum tipo de vida, mesmo que microscópica, vi no facebook, em um compartilhamento de uma amiga, uma certa crítica à procura por vida em Marte, sugerindo que deveríamos melhorar primeiramente as condições de vida existente em nosso próprio planeta. Veja a imagem. 
Eu concordo plenamente que poderíamos cuidar melhor de todos os seres vivos da Terra, mas os gastos com as corridas espaciais atualmente correspondem a uma fração muito pequena do que se gasta, por exemplo, em armamentos de guerra, que provocam diversos problemas, entre eles o de uma quantidade enorme de refugiados que não encontram abrigos adequados em outros países. O que me deixa muito triste é pensar que muitas destas guerras têm uma parcela de causas religiosas. Então, já que é para se fazer perguntas, por quê não pensamos todos em acabar com religiões que adotam práticas tão radicais? Por quê não procurarmos algum meio de parar de produzir ou financiar tantos armamentos de guerra? 
Se pensarmos como uma espécie que já alcançou um elevado estágio evolutivo, e que pretende se manter, não podemos esquecer que por enquanto há uma certeza: o Sol, como toda estrela, teve seu começo, é atualmente vital para nós, mas em um momento, daqui a bilhões de anos, começará a se inflar, atingindo Mercúrio, Vênus e provavelmente queimando também o nosso planeta, e se resolvermos que devemos permanecer sempre grudados aqui no nosso mundinho, fatalmente seremos uma espécie extinta. Isto sem falar do que pode acontecer muito antes disso, com o surgimento de catástrofes naturais, pragas ou mudanças repentinas no clima.  
Eu não sei (mas imagino) qual é a finalidade destas campanhas que tentam nos convencer de que cancelando os gastos e aspirações envolvidos nestas explorações espaciais, automaticamente o dinheiro e as atenções ficariam voltadas para a melhoria das condições de vida dos povos do nosso planeta. Espero sinceramente que não esteja havendo mais uma vez na história, uma tentativa das religiões cristãs de desestimularem a descoberta de vida em outro planeta, o que se fosse constatado, as obrigaria a fazer uma revisão dos livros que tanto veneram, e cujas passagens aceitam como verdades divinas e inquestionáveis. De novo, como ocorreu no episódio do Heliocentrismo versus Geocentrismo eles correm o risco de "quebrarem a cara", mas possivelmente venham se retratar alguns séculos depois, como por exemplo a desculpa oficial feita durante o papado de João Paulo II, em  1992, por terem condenado Galileu à prisão no século 17.

Fontes:
http://www.jpl.nasa.gov/news/news.php?feature=4731#martian-skip
http://idgnow.com.br/internet/2015/10/01/5-tecnologias-reais-da-nasa-que-estao-no-filme-perdido-em-marte/
http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2015/10/9-erros-e-acertos-de-perdido-em-marte.html
Compartilhe:

4 comentários:

  1. Lembrando, Jairo, que o dispositivo usado para criticar o progresso da ciência e do conhecimento como um todo, veio também de inúmeras pesquisas e inovações tecnológicas que datam da corrida espacial dos anos 50 e 60, onde naquela época, essa falácia da fome também era usada.
    A fome e a pobreza são, na maioria, problemas políticos que se os líderes mundiais deixassem de lado suas ganâncias por riqueza e poder, resolveriam em grande parte.

    Bela postagem. Pena que finalizo os Crazy Links na sexta. Mas ela estará no próximo! Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, professor. Todo tipo de problema enfrentado pelo astronauta Watney em Marte fez lembrar-me das dificuldades que devem ter passado cada cientista de nossa história, com a finalidade de ajudar a humanidade, diminuindo a mortalidade por motivos de doenças que hoje já têm cura. Para mim, estas pessoas que criticam gastos de dinheiro e tempo nas corridas espaciais estão presas a um pensamento restrito a uma espécie de conformismo religioso. Estivéssemos todos ainda pensando como elas, e estaríamos morrendo de fome, por causa de pragas incontroláveis em plantações, e de doenças ainda incuráveis, mas estas pragas e doenças seriam atribuídas não à falta de saneamento básico, vírus, bactérias, ou insetos, mas tão somente aos castigos de Deus. Os religiosos se beneficiam de tomografia computadorizada, ultrassom, e internet, e esta última, como você frisou bem, é usada hoje por eles para criticar coisas que ajudaram a desenvolver os mesmos avanços tecnológicos das quais elas próprias se beneficiam. Um perfeito contrassenso.
      Obrigado pelo elogio. Eu gosto de me sentir útil, divulgando Ciências ao invés de tontices, das quais o mundo já está cheio. Aguardo o próximo CrazyLinks. Abraço.

      Excluir
  2. Nobre parceiro e amigo, Jairo!!!!
    Parabéns, pela postagem!!!! Na minha opinião, meu amigo, esse contrassenso dos líderes religiosos sempre existiu e irá continuar até no espaço (quando da conquista de outros planetas), porque enquanto existir pessoas que acreditem nas invencionices ritualistas religiosas e que dão alto retorno financeiro para os seus autores, é claro, que eles por um lado, como sempre, serão os trapalhões do progresso científico e, por outro, os maiores usuários das tecnologias descobertas por aqueles que, de fato, empenham-se em pelo menos divulgarem ciências sérias, pois, os "novos sacerdotes" tão espertos quanto os antigos, criam "coisas" do tipo, astrologia, quiromancia, alquimia e outras tantas "mias" que são exploradas por ai!!!!
    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Valdir. E é por isso que os amantes das Ciências não podem desanimar de divulgá-las em qualquer espaço que seja. Não podemos perder esquecer que a humanidade já sofreu muito com doenças e baixa qualidade e expectativa de vida, quando na Terra, principalmente na Idade Média reinavam esta "mias" que você bem lembrou. Obrigado por mais uma visita ao blog e pelo comentário elogioso.
      Abraço.

      Excluir

Os comentários são moderados pelo autor do blog.
Se quiser receber comentários futuros deste post pelo seu e-mail, clique na opção "Notifique-me"