Bóson de Higgs: uma partícula elementar?

No dia 4 de julho, pesquisadores do CERN anunciaram ter finalmente encontrado o que se supõe ser o Bóson de Higgs, alvo principal das buscas no acelerador de partículas mais conhecido pelas siglas LHC. Para não ter que explicar muito, vou colocar aqui um vídeo bem simples e didático, feito ainda antes da descoberta, que me ajudou a entender facilmente o que seria esta partícula, e como ela interagiria para fornecer massa às outras, além de compreender a relação estabelecida por ela com o Campo de Higgs. Vale a pena assistir, e é bem curtinho: 3 minutos e meio. Se as legendas em Português não aparecerem, clique à esquerda do símbolo da engrenagenzinha)


Divulgação da notícia
Imediatamente, por tratar-se de um assunto que chamou a atenção do grande público, a maioria dos jornais, revistas, sites e blogs da internet se apressaram em divulgar o acontecimento histórico, alguns de maneira a tentar facilitar o entendimento das pessoas leigas no assunto. O problema é que muitos meios de comunicação acabaram se complicando um pouco nas explicações, sem falar na infeliz insistência de alguns em usar o inapropriado termo "partícula de Deus", sugerindo uma provável ligação - logicamente inexistente - entre a ciência e a religião.

E se o Higgs não for uma partícula elementar?
O que eu gostaria de tratar neste post é a possibilidade que ainda não se pode descartar, de que este bóson, por algumas características reveladas, ao contrário do que se possa pensar, não seja realmente uma partícula elementar. A ideia não parece ser tão absurda. Já se cometeram equívocos semelhantes no passado. Quando da descoberta dos prótons, por exemplo, perto do início do século 20, achava-se a princípio que eles seriam partículas elementares. Somente bem mais tarde, não antes de 1970, é que se chegou à conclusão de que na verdade eles eram constituídos de partículas ainda menores, que são conhecidas atualmente como quarks e glúons.
Para se ter uma ideia do quanto seria interessante que houvesse uma abertura de possibilidades e hipóteses novas nesta área, o ganhador do prêmio Nobel de Física de 1979 com trabalho teórico sobre partículas elementares, Steven Weinberg, disse que seria um "pesadelo" se o bóson de Higgs, ao ser descoberto, apenas cumprisse os seus deveres como previsto no Modelo Padrão e nada mais. Essa partícula, se assim fosse, não nos daria pistas sobre o que viria a seguir. As dúvidas surgidas, na verdade são cruciais para manter a procura de caminhos para uma teoria mais abrangente, ou reforçar aquelas já previstas, como por exemplo a da Supersimetria. Nesta teoria, haveria a possibilidade de se obter explicações ainda mais completas do que as do Modelo Padrão. Além do mais, devemos sempre ressaltar que este modelo atual não abrange explicações para 95% da composição do Universo, do qual faz parte, por exemplo, a matéria escura

Clique aqui se quiser ver o excelente diagrama da figura acima em tamanho ampliado, publicado originalmente na New Scientist, e ter uma ideia das partículas que poderiam ser acrescentadas ao Modelo Padrão, previstas pela Supersimetria.

Futuro
Eu, de fato, após ler algumas matérias (em inglês), tais como esta e esta, publicadas pela New Scientist, uma fonte confiável, resolvi fazer algumas perguntas nos comentários de um bom post do blog Ciências e Adjacências, do físico e jornalista científico, Roberto Belisário, pessoa que considero muito capacitada para esclarecer algumas dúvidas do que pode surgir a partir de agora, e fiquei muito grato pela sua gentileza em me responder. O que realmente percebi é que ele também acha que muitas novidades ainda surgirão sobre a descoberta do Higgs, e também concorda que possa ficar cada vez mais difícil comprovar as novas teorias na prática, já que provavelmente precisaremos de aceleradores ainda maiores. Se foi difícil convencer muitas pessoas da importância de se gastar U$ 9 bilhões no LHC, quem dirá daqui pra frente. Aliás, para quem deseja saber para que mais serve estas pesquisas, li um texto muito bem escrito sobre isso. Clique aqui se também quiser ler o artigo intitulado " Sejamos pragmáticos: Um bóson de Higgs serve para quê?"
Compartilhe: