Consumir álcool: uma necessidade evolutiva


Nosso gosto por álcool já dura milhões de anos. Agora, uma pesquisa genética revela novidades sobre este antigo relacionamento humano.

Um novo estudo descobriu que os nossos antepassados adquiriram a capacidade de digerir o álcool há cerca de 10 milhões de anos, entre um ancestral comum a humanos, chimpanzés e gorilas, e certamente bem antes de nós aprendermos a fabricá-lo. Isso sugere que o álcool tornou-se parte da dieta humana muito mais cedo do que se pensava, e de uma forma que teve implicações significativas para a sobrevivência da espécie humana.

Os seres humanos carregam com eles as assinaturas genéticas de seus hábitos de alimentação ancestrais. As variantes genéticas que tornam novas fontes de alimento disponíveis podem proporcionar enormes oportunidades para aqueles que as possuem.

A tolerância ao álcool pode ter tornado possível comer frutas muito maduras que tinham caído no chão e começado a fermentar naturalmente. Esta adaptação teria fornecido aos nossos antepassados uma fonte de alimento abundante para a qual havia poucos concorrentes.


O metabolismo do álcool após a ingestão é um processo complexo que envolve uma série de enzimas diferentes. A maior parte que é ingerida é discriminada no intestino e no fígado. O novo estudo centrou-se na enzima ADH4 pelo fato de ela ser abundante no intestino. Testes indicaram que a ADH4 encontrada em seres humanos, gorilas e chimpanzés é 40 vezes mais eficiente na metabolização do álcool do que a forma encontrada em espécies mais primitivas.

Como os seres humanos dependem de ADH4 como seu principal meio de digerir o álcool, eles também são suscetíveis às ressacas. Enzimas metabolizam o álcool, convertendo-o em um outro produto químico, o acetaldeído, que provoca o rubor da pele, dor de cabeça e outros sintomas desagradáveis da ressaca.

E agora, para quem quiser assistir, coloquei o vídeo de uma reportagem mostrando animais africanos ficando bêbados pelo consumo de frutas fermentadas.





Compartilhe:

2 comentários:

  1. Estimado amigo, sr. Grossi.

    Mais uma vez, nos presenteando com esclarecedores e magníficos artigos.

    Acreditava que a história do álcool começava somente em 8000 a.C, com os chineses.

    A este agradável post, recomenda-se um bom escocês Royal Salute 21 anos.

    Abraços cordiais,

    Cavalcanti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, caro amigo. Eu também achei interessante saber sobre estas novas descobertas a respeito da origem deste hábito que se difundiu pelo mundo. Se usado moderadamente proporciona momentos muito agradáveis.
      Sobre o whisky, fica registrada a recomendação aos leitores de um conceituado apreciador deste tradicional destilado.

      Excluir

Os comentários são moderados pelo autor do blog.
Se quiser receber comentários futuros deste post pelo seu e-mail, clique na opção "Notifique-me"